ALBUM REVIEW: My Voice (Taeyeon)

Oie, Gabriel aqui. Primeiramente me desculpo pela falta de cuidado que tenho tido com o blog nas últimas semanas. Às vezes o desânimo bate forte e a gente pensa se vale a pena continuar com o Normal Demais… mas sempre acabamos voltando. Escrever sobre alguma bobagem qualquer é algo que eu adoro fazer. As últimas semanas também foram bem corridas aqui no blog. Mudamos de layout, estamos repaginando nossas redes sociais, nosso line-up cresceu (bem vinda, Paula! ^^) e estamos pensando em novos conteúdos. Bem, é isso. Eu só precisava falar um pouco com vocês sobre isso já que essa bagaça é bem importante pra mim e eu realmente me importo com ela. Bem, vamos ao que realmente interessa: Kim Taeyeon.

Não é novidade nenhuma pra quem acompanha o blog que eu sou SONE. Vocês também sabem que minha eterna ultimate é Jessica Jung. Tenho um enorme carinho pela Ice Princess e ela ocupa desde 2012 o posto oficial de minha idol favorita por diversos motivos. Mas se Jessica não fosse tão especial para mim como é, tenho certeza que minha bias do SNSD e ultimate seria Taeyeon. Eu me identifico muito com Tae e tenho muito amor pela líder soshi. Além disso, não podemos negar que sua voz é uma das melhores do kpop – talvez até a melhor.

No meio desse mês Teião lançou a classuda I Got Love. As opiniões gerais ficaram divididas mas eu realmente gostei do lançamento. Era um novo lado de Teião que estava sendo explorado e um pré-release do primeiro LP solo dela. Nos últimos dias a SM começou a lançar uma série de pequenos teasers mais intimistas e hoje foi lançado o MV do single Fine e o primeiro full album solo de Taeyeon, My Voice. Eu não consegui esperar e estou ouvindo o álbum agora de madrugada para fazer um review menos “planejado” pra vocês. Vai ser um review pautado nas minhas primeiras impressões e eu quero passar um pouquinho das minhas emoções de fã enquanto escuto My Voice.

Você já ouviu a palavra de Teião hoje?

Não há como falar de Taeyeon sem falar de sua voz. A linda voz de Tae consegue transmitir sentimentos como poucos conseguem. Taeyeon não queria ser idol de fato, ela só queria cantar. Tae é sua voz. Sua voz é seu meio de expressão, seu sustento e um retrato de quem ela é. Chamar seu primeiro álbum de “My Voice” me parece muito apropriado.

O LP tem seu início com Fine, que à primeira vista me lembra muito um filho de I () 11:11. Fine é uma música triste. Seus versos contam com o apoio de um violão e são delicados e melancólicos. O refrão por sua vez é explosivo, com Tae colocando seus sentimentos para fora enquanto a melodia cresce e ganha força. Fine contém emoção e é isso que a torna tão boa. A canção me lembra daqueles momentos em que escondemos o que realmente sentimos dos outros e dizemos que está tudo bem – mesmo que estejamos quebrados por dentro. Ela também desperta nostalgia me lembrando das baladas que eu ouvia quando era bem mais novo, com a adição daqueles high note de quebrar vibro.

O MV é muito bonito esteticamente e conta a história de um término. Tae sofre pela perda desse amor e relembra bons momentos que passou ao lado dele. A parte em que a música é interrompida abruptamente e Taeyeon desaba me quebrou o coração.

JESSICA BLESS THE FAROFAAAAAA! Depois da sensível Fine somos colocados para rebolar ao som da excelente house Cover Up. Cover Up é algo que eu veria facilmente no mini Why, tem toda a atmosfera do comeback anterior e faria muito sentido ao lado de hinões como Why, Fashion, Hands on Me e etc. É deliciosamente bem conduzida, é dançante pra caralho e envolve do começo ao fim. A repetição de “can’t cover it up” garante que a música grude. O álbum mal começou e já é um destaque.

Aaaaaah, Feel so Fine. Que coisa boa de se ouvir! Ela mantém o clima de Cover Up e entrega uma faixa alegre e alto astral. É o tipo de coisa que eu escuto quando estou em um dia ruim e que me deixa instantaneamente mais animado. Ela cresce suavemente com a batida e quando o refrão chega eu já estou entregue e curtindo totalmente a vibe. Entretanto ela teria ainda mais impacto se tivesse sido colocada como sucessora de Fine. Parece algo óbvio mas é SM no final das contas.

O álbum então vai para algo mais dark e sexy. O pré-release I Got Love desagradou a alguns e agradou a outros. Eu pessoalmente gostei muito. Os versos são instigantes e a atmosfera sensual cresce no excelente pré-refrão para então desembocar em uma batida bem fancy. O refrão só dá as caras mais pro final com os sussurros da Tae. É viciante.

O MV de I Got Love está muito bem feito. Mas alguém PELO AMOR DE DEUS tire essas lentes da Taeyeon e jogue elas longe antes que suguem toda a humanidade dela. Tirando esse detalhe o MV permanece muito bonito e foi visivelmente caro. Rainha é rainha.

Se I Got Love fez com que eu me sentisse em uma boate burlesca, I’m Ok fez com que eu imaginasse uma viagem de carro pelo deserto, só sentindo o vento no rosto e ouvindo a música sem pensar em absolutamente nada. Não é a minha preferida do álbum mas eu gostei bastante do ritmo, da construção da música e do modo como a voz da Teião soa aqui. O aproveitamento de I’m Ok acaba sendo positivo.

Time Lapse é sem dúvida uma das melhores músicas, não apenas do My Voice, mas de toda a carreira solo da Tae. Ela começa suave e te envolve graciosamente. Quando o ritmo muda a voz de Taeyeon cresce e a carga emocional da música se intensifica. Mais pro final da faixa o instrumental se torna mais etéreo e grandioso… e acaba. O fator de replay aqui é gigantesco. Time Lapse é minha preferida até aqui. Ouvir o álbum já valeria a pena só por essa, poderia ser um single maravilhoso.

Sweet Love é uma boa sucessora para Time Lapse. É uma música elegante e bem produzida com uma batida legal e envolvente. Os “sweet, sweet love” do final são bons para ficar balançando a cabeça no ritmo da música. Não consegue superar a anterior mas é gostosa de se ouvir.

When I Was Young  é outro enorme acerto do My Voice. Ela consegue expressar os sentimentos da Taeyeon de um modo inédito até aqui – através da teatralidade. Seu instrumental dramático e poderoso, ao ser combinado com o modo sensível e gracioso que os versos e o refrão são cantados, nos traz uma sensação nostálgica. É algo que eu veria facilmente em um filme de princesa da Disney. Adorei cada milésimo de segundo disso aqui.

Eu tinha certeza que Lonely Night seria uma balada daquelas de dormir cofcofspringdaycofcof mas passou longe disso. Não chega a ser feliz mas tem força, um bom direcionamento e envolve muito bem. Conta a superação de um término, o “seguir em frente” depois de noites solitárias. É uma música muito bonita de se ouvir e é constante em sua duração. Os momentos finais dão um quê a mais para Lonely Night e são a melhor parte da música.

Se a proposta do My Voice é mostrar a voz e os sentimentos de Taeyeon em todas as suas cores, Love in Color é um bom passo. É uma canção muito simples e bem curta. Composta com um piano, o foco não é para o instrumental, não é para o visual e nem tampouco para a produção da batida. O foco é puramente a voz de Taeyeon.

Até aqui eu tinha o álbum inteiro em destaque e nenhuma música bleh. Mesmo assim eu não estava preparado para Fire. Fire é sensacional, só lhes digo isso. Antes de escrever essa parte dei muitos replays na música simplesmente pelo motivo de precisar.ouví-la.mais. Fire é cantada com uma paixão tremenda, seu andamento é impecável e ela me deixou assim quando acabou:

eu não sou digno dessa glória

Normalmente álbuns de kpop se encerram com uma baladinha água-com-açúcar. As exceções são poucas… e My Voice é uma delas. O LP se encerra com a maravilhosa Eraser. Maravilhosa mesmo. Ela é o final explosivo que o álbum merecia, impecável em toda a sua extensão. O pré-refrão antecipa o refrão excelente que o segue. É uma canção de muito pulso. Adorei Eraser com todas as forças do meu ser e ela encerra gloriosamente o melhor álbum de 2017 até agora.

Oficialmente o álbum acabou depois de maravilhosas 12 faixas. Mas quem comprar uma das versões físicas também terá direito a uma faixa bônus, um cover de Time Spent Walking through Memories do Nell. Se não me engano esse cover já tinha saído há algum tempo e tem no YouTube pra quem quiser ouvir.

Eu sempre espero muito da Tae, isso é fato, mas eu realmente não fazia ideia de que ela entregaria algo tão bom como é o My Voice. 2017 mal começou e já temos o melhor álbum do ano, justo em um mês tão parado para a música asiática como foi fevereiro. O LP é muito coeso e mantém sua qualidade em cada faixa. Todas as músicas me fizeram sentir alguma coisa e nenhuma chegou perto de ser ruim ou esquecível. É um álbum feito com muita emoção e muito cuidado, um álbum tão envolvente que funcionaria muito bem até com quem não gosta de capope.

Acima de tudo é um álbum emocionante. Tae conseguiu demonstrar para todos sua enorme versatilidade e competência, seus sentimentos mais fortes, sua voz maravilhosa. My Voice traz a essência de Taeyeon. Sabemos que no SNSD ela não pode demonstrar toda a sua capacidade e é na carreira solo que ela mostra quem realmente é. Ela é a sua voz: linda, profunda, especial, poderosa.

Como SONE, eu ofereço a Taeyeon todo o meu apoio. Como fã de Tae, ofereço meu amor e minha admiração. Obrigado por existir, Taeng. Obrigado por ser quem você é. Obrigado por esse hinário. Obrigado por me dar o privilégio de um dia ter ouvido a sua voz.

♡ Você também vai amar: